Compartilhar imaginários: o jornalismo compartilhado como construtor de espaços democráticos e criativos

  • Janaína de Oliveira Universidade federal de Goiás (UFG)
  • Jordana Cristina Alves Barbosa UNICAMP

Resumo

A América Latina é um campo fértil e produtivo de imaginários sociais ao mesmo tempo em que vários veículos de comunicação ignoram essa diversidade por seus interesses econômicos, transformando tudo em informação hegemônica. Em contrapartida, o Jornalismo Compartilhado tem contribuído com a memória e o imaginário social das comunidades que, historicamente, foram e são sub-representadas ou, ainda, não representadas. É esse o ponto de partida para a construção deste artigo, a experiência que o Jornalismo Compartilhado oferece como uma alternativa teórica e prática. Desde 2000, o laboratório de ensino, pesquisa, extensão e coletivo Magnifica Mundi vem trabalhando pela democratização da comunicação no Brasil, além de proporcionar experiências diferenciadas e não hegemônicas a graduandos em Jornalismo. O coletivo oferece cursos de formação para jovens e adultos, que se tornam jornalistas populares e produzem informações dentro de suas realidades. A memória, assim, vai sendo recuperada, preservada e repassada também pelos jornalistas populares.   A América Latina,  lugar  de  contadores  de   histórias,  cantores, trovadores, repentistas, mestres e mestras de funções menosprezadas pelo mercado capitalista, pode construir um enorme e sólido espaço para a criatividade, para a memória e para o imaginário via Jornalismo Compartilhado que, assim, contribui para o fortalecimento e continuidade da criatividade dos povos latino-americanos.

Publicado
Mar 26, 2019
##submission.howToCite##
OLIVEIRA, Janaína de; BARBOSA, Jordana Cristina Alves. Compartilhar imaginários: o jornalismo compartilhado como construtor de espaços democráticos e criativos. Entropia, [S.l.], v. 3, n. 5, p. 65-84, mar. 2019. ISSN 2526-2793. Disponível em: <http://entropia.slg.br/index.php/entropia/article/view/117>. Acesso em: 19 ago. 2019.