A REPRESSÃO ÀS TRABALHADORAS DO SEXO E A AÇÃO DO MOVIMENTO NINHO DURANTE A DITADURA NO CEARÁ (CEARÁ, 1964 – 1985)

  • Taynara Mirelle do Nascimento de Araújo Instituto Universitário de Pesquisa do Rio de Janeiro

Resumo

A ditadura civil-militar brasileira baseava-se na Doutrina de Segurança Nacional,
a qual tinha como foco o combate ao inimigo interno (comunistas,
estudantes, intelectuais, prostitutas, feministas, movimentos sociais). As prostitutas,
os homossexuais e travestis, foram um desses alvos do regime sofrendo
forte repressão do sistema autoritário baseado numa moralidade cristã ambígua.
Muitas prostitutas sofreram torturas, estupros, algumas foram até mesmo mortas,
outras foram impedidas de trabalhar sofrendo perseguição e prisões constantes.
Diante do desamparo da população pobre e dessa perseguição aos que
fugiam dos padrões morais impostos, surge não só no Brasil, mas em toda a
América Latina uma Igreja progressista de resistência a partir das ações de Pastorais
Sociais, como o “Ninho Cearense” que inicia seu trabalho em Fortaleza com
o baixo meretrício, nas regiões em que se empreendeu o “desfavelamento”, realizando
um trabalho de amparo e formação. Quer-se, portanto, analisar a atuação
da ala progressista da Igreja Católica no Ceará na resistência ao regime ditatorial
através das ações do “Ninho Cearense” com as trabalhadoras do sexo no período.

Publicado
Mai 9, 2020
##submission.howToCite##
DE ARAÚJO, Taynara Mirelle do Nascimento. A REPRESSÃO ÀS TRABALHADORAS DO SEXO E A AÇÃO DO MOVIMENTO NINHO DURANTE A DITADURA NO CEARÁ (CEARÁ, 1964 – 1985). Entropia, [S.l.], v. 4, n. 07, p. 32/72, maio 2020. ISSN 2526-2793. Disponível em: <http://entropia.slg.br/index.php/entropia/article/view/151>. Acesso em: 05 jul. 2020.